Contratações temporárias devem sofrer retração, diz CNC

[Por Hotelier News, 15/01/2013]
Encerrado o período de contratações temporárias de verão no setor turístico, a divisão Econômica do CNC (Confederação Nacional do Comércio) realizou um estudo com as estimativas de contratações feitas neste ano. O resultado concluiu que haverá queda de 1,3% em relação à temporada de 2012.
Segundo o órgão, a redução de 33,6 mil empregos (2012) para 33,1 mil (2013) é proveniente do ritmo mais lento da economia brasileira, assim como da atual dinâmica do mercado turístico, que como um todo sofre as consequências dos abalos financeiros que outras economias mundiais têm enfrentado. Em 2011, o número de empregos temporários gerados pelo setor foi de 38,1, um dos maiores dos últimos tempos.
As projeções – feitas em conjunto com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho – indicam que os ramos de hotelaria (58,4%) e alimentação (29,7%), juntos, são responsáveis por 88% das vagas. Por outro lado, o setor de transportes representa apenas 3,7% das contratações.
Sobre a taxa de absorção de trabalhadores pelo mercado, após a temporada o número deve chegar a 40%. Desta forma, o índice será mais alto, inclusive, que do verão de 2011, que atingiu 37%.
A ocorrência de eventos internacionais de grande porte, previstos para este e para os próximos anos, é uma das razões apontadas para o aumento das efetivações. Segundo projeções do mercado financeiro, o PIB (Produto Interno do Setor) do setor terciário deve crescer 3,4% em 2013.
Neste cenário, Sudeste, Nordeste e Sul aparecem como as regiões mais importantes para o mercado turístico. Prova disso é o aumento de 20% nas contratações temporárias na Paraíba, conforme divulgação da ABIH-PB (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis da Paraíba) e da Abrasel-PB (Associação de Bares e Restaurantes).
Por outro lado, com estrutura mais desenvolvida, o Sudeste concentra cerca de 60% da mão de obra e emprega menos temporários que as demais regiões do País.