Avaliação sobre potencial catarinense para Turismo de eventos será apresentada no próximo dia 18

[Por Adjori/SC, 18/09/2012]
Santa Catarina está preparada para receber eventos? Quais são os gargalos e os pontos fortes do Estado? Esta leitura será feita no próximo dia 18 de setembro, durante o encerramento dos Seminários de Capacitação e Profissionalização do Turismo 2012, nos quais foram apresentados inventários inéditos sobre o potencial para o turismo de evento das cidades de Florianópolis, Joinville, Blumenau e Chapecó. O estudo, encomendado pela Associação Brasileira de Empresas de Eventos – Santa Catarina (ABEOC-SC), com recursos do Funturismo, levantou uma série de informações relacionadas com rede hoteleira, acessos turísticos, gastronomia, espaços para realização de eventos, condições de aeroportos, sistema de segurança pública, acessibilidade, hospitais e clínicas, entre outros.
Hoje, o turismo de eventos perde apenas para o turismo de lazer, movimenta mais de R$ 200 milhões por ano no Estado, segundo a ABEOC-SC. O Brasil ocupa o sétimo lugar no ranking mundial entre os países que mais sediaram eventos no mundo em 2011 segundo a Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA) e Florianópolis é a quarta capital para este segmento turístico, de acordo com a Embratur.
Além do Presidente da ABEOC-SC, Marco Aurélio Floriani, que fará um balanço dos inventários, o Seminário “Santa Catarina – Um Estado Preparado para Realizar o seu Evento”, terá um espaço reservado para os representantes dos Conventions & Visitors Bureau das cidades inventariadas apresentarem outras informações referente às condições de suas cidades para receber turistas e eventos.
Serviço
O que: Seminário “Santa Catarina – Um Estado Preparado para Realizar o seu Evento”
Local: CentroSul
Data: 18 de setembro
Horário: 18h30min
Inscrições: www.abeocsc.org.br
Sobre o turismo de eventos
O Brasil subiu duas posições, chegando ao sétimo lugar no ranking dos países que mais sediaram eventos no mundo em 2011, segundo a Associação Internacional de Congressos e Convenções (ICCA). Ao todo, o país recebeu 304 eventos classificados como internacionais, o que representou um crescimento de 10% em relação ao ano anterior, quando foram realizados 275 eventos.
Os estrangeiros que vieram ao Brasil a negócios, em 2010, deixaram no país cerca de US$ 120,00 por dia. Foi o maior gasto médio per capita registrado desde 2004, início da série histórica, segundo revela o Estudo da Demanda do Turismo Internacional no Brasil divulgado pelo Ministério do Turismo. As viagens motivadas pelo lazer correspondem a 46,1% do total. Já os estrangeiros interessados em negócios, eventos e convenções foram 23,3%.
O turista de eventos gasta em média três vezes mais que o de temporada. A permanência fica entre três ou quatro dias, mas é o suficiente para injetar na economia da capital dos catarinenses mais de R$ 100 milhões anualmente.
Em eventos internacionais realizados no Brasil, o gasto médio diário do turista é de R$ 583,00. Deste total, 45% são destinados a hospedagem.
De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), um evento internacional pode demandar serviços de mais de 50 segmentos da economia, como transporte, hospedagem, lazer, alimentação, comércio e demais serviços especializados que um evento pode demandar ou oferecer.