Governo Federal quer novos aeroportos para aviação executiva

[Por Mercado e Eventos, 15/08/2012]
O ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, participou da abertura da 9ª Latin American Business Aviation (Labace), que aconteceu na manhã desta quarta-feira (15/08) no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Na ocasião, ele revelou que o Governo Federal está planejando regulamentar a autorização de novos aeroportos voltados para a aviação geral. Segundo ele, isso é necessário para que o setor possa garantir um serviço melhor e também para liberar alguns espaços nos grandes aeroportos.
“Isso será fundamental para ter uma alternativa ao setor, uma vez que os grandes aviões irão requerer cada vez mais espaços e a aviação geral passará a ter uma dificuldade maior para operar”, afirmou. “Com um serviço e espaço dedicados somente à aviação executiva, será possível melhorar a performance tanto da aviação geral como da comercial”, complementou.
Labace – A feira, segunda maior do mundo voltada à aviação executiva, acontece até a próxima sexta-feira (17/08). De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), Eduarso Marson, esta é a maior edição do evento, que deve reunir mais de 16 mil de pessoas nos três dias de visitação. São 190 expositores e 70 aeronaves expostas no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. “São bons números, mas números não refletem a importância da aviação geral para a economia brasileira. Somente ela tem capacidade para chegar em 3,5 mil aeroportos, enquanto a aviação comercial chega a 130. Nós oferecemos conexão e integração, pois sem a aviação geral a economia não gira e não chega aos mais diversos cantos do Brasil”, discursou.
Durante a feira foi lançada a segunda edição do Anuário Brasileiro da Aviação Geral, que indicou um crescimento de 6,4% no setor. Marson destacou a ampliação de 15,3% no número de jatos, 10,43 de turbo hélices e 10,64% de helicópteros. “A frota executiva no Brasil é hoje de 13 mil. O desafio para o nosso próximo anuário é mostrar o Pib do setor, para fazer valer o nosso tamanho e sensibilizar o poder público da nossa importância”, finalizou.