ABIH pede apoio do MTur para pequenos hotéis

[Por Panrotas, 07/08/2012]
A ABIH considerou um sucesso o 54º Conotel, que aconteceu de 26 a 28 de julho, na Fecomercio, em São Paulo, com o tema “Qual a hotelaria que queremos para o Brasil”. E promete novidades para o ano que vem. Segundo o acordo firmado neste último Conotel, em 2013 muda-se a data e formato do evento .O congresso ocorrerá no Teatro Alfa do Hotel Transamérica, em São Paulo, no dia 25 de março, e a feira da hotelaria ocorrerá junto à “Food Hospitaly World”, maior evento de hospitalidade da América Latina, organizado pela Cipa/Fiera Milano, que será inaugurado no mesmo dia, no Center Norte. A previsão é de pelo menos 20 mil visitantes, inclusive do Exterior.
REUNIÃO DO CNT
A nova dimensão prevista para o Conotel foi um dos temas da reunião que o presidente da ABIH, Enrico Fermi Torquato, teve com o ministro do Turismo, Gastão Vieira, que aceitou o convite para abrir o novo evento em março do próximo ano e disse que estudará a possibilidade de promover na ocasião a primeira reunião do Conselho Nacional do Turismo de 2013, prevista também para março. “A hotelaria brasileira, pela importância na cadeia produtiva do setor, tem um compromisso crescente de organizar e apoiar o debate sobre o turismo brasileiro”, justificou Fermi.
PARA OS PEQUENOS E INDEPENDENTES
Entre os assuntos que já estão previstos para o futuro Conotel, e também levados ao ministro por Fermi, está a proposta de reorientação na política pública de investimentos e linhas de crédito para os hotéis de pequeno e médio portes, atualmente inviabilizada pela cobrança de 130% nas garantias reais exigidas pelos bancos. “Dos 25,5 mil meios de hospedagem do Brasil, 93% são hotéis independentes – fora das redes nacionais e internacionais – e 72% são de pequeno e médio portes, com até 50 unidades habitacionais, e são estes os mais punidos pelo modelo de crédito oferecido, em detrimento de sua importância na promoção e alavancagem de novos destinos, no fortalecimento da economia turística regional, na geração e distribuição de empregos”, reclamou Fermi, ao pedir apoio do ministro apoio para corrigir esta distorção. A sugestão de Fermi é a volta da garantia evolutiva, forma mais equilibrada, no seu entender, de permitir o acesso ao crédito dos empreendimentos menores.