Fiptur Megaeventos debate, em Salvador, a Copa do Mundo

[Por Hôtelier News, 04/06/2012]
Representantes das principais instituições envolvidas diretamente com a Copa do Mundo de 2014 estiveram reunidos em Salvador na última semana para o Fiptur Megaeventos, que ocorreu na Casa do Comércio, em Salvador. O evento, que já passou por Recife e Porto Alegre, é uma realização do Ficet (Fórum Internacional da Ecologia e Turismo), do CBC & VB (Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureaux) e do Salvador Convention, com apoio das entidades do trade baiano. Com acesso gratuito, os seminários foram dirigidos a profissionais deste setor.
Em sua exposição, o diretor de Produtos e Destinos Turísticos do Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Marco Lomanto, apresentou um novo vídeo promocional do Brasil que será lançado em julho durante as Olímpiadas em Londres. O trabalho é parte da campanha que tem como alvo o turista que vem à Copa do Mundo.
“O objetivo do Embratur não é divulgar a Copa, mas sim a divulgação dos destinos e da infraestrutura das 12 cidades-sede e do entorno”, lembrou Lomanto, ressaltando que 17 mercados serão trabalhados com prioridade até 2014.
Ele mostrou um exemplo de mapa das cidades e seus destinos indutores que será distribuído entre os operadores internacionais. No mapa da Bahia, os segmentos estão divididos entre Sol e Mar, Cultura e História e Ecoturismo, buscando diversificar as opções para o turista da Copa. “Nos eventos e feiras que o Embratur participa no exterior, o objetivo é ampliar o conhecimento técnico de agentes e operadores sobre esses produtos – além de estreitar relacionamento com a mídia internacional”, ressaltou.
“O nosso maior objetivo é o legado da Copa em termos de imagem. A meta do Embratur é fazer com que 25% dos turistas da Copa prolonguem a sua estada”, completou, acrescentando que este é o momento de investir na qualificação dos equipamentos turísticos que devem estar preparados para atender principalmente ao turista de grupo de incentivo, segmento prioritário na Copa.
Numa visão um tanto pessimista, o executivo João Moreira, presidente do CBC&VB, disse que hoje o País vive só problemas. “Não conseguimos identificar ninguém que esteja trabalhando e lucrando com a Copa do Mundo ou Olimpíadas”, disse. Ele citou que o lucro real da Copa ficará com a Fifa e também teceu críticas à gestão do evento nas mãos do governo, o que dificulta a aproximação com o empresariado.
Legado é palavra de ordem
O burburinho de que a Copa deixará legados em termos de infraestrutura, mobilidade, logística e capacitação será o grande ganho para o País. No caso específico de Salvador, a chegada da Arena Fonte Nova deve suprir a carência que a capital baiana possui de espaços para grandes shows musicais, atendendo assim a um antigo clamor do trade.
Um dos convidados do evento, o deputado José Rocha, presidente da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara, lembrou dos números expressivos que envolvem o megaevento esportivo, como a expectativa da injeção de R$ 9,4 bilhões na economia brasileira com a movimentação dos turistas.
Investimentos na Bahia
O secretário de Turismo da Bahia, Domingos Leonelli, aproveitou o Fiptur para anunciar a liberação da verba de R$ 7,5 milhões pelo Ministério do Turismo para financiamento de projetos da Secretaria de Turismo da Bahia voltados para a Copa nas áreas de acessibilidade, sinalização turística e montagem de postos de atendimento.