Potencial turístico

[Artigo de Jorge Alencar*, Gazeta, 12/01/2012]
Quem passa pela Reta da Penha, em frente ao Edifício da Findes, em Vitória, e olha para cima, admira-se com aquela construção incomum – um restaurante giratório, em vidro, para os clientes contemplarem do alto o panorama, especialmente o noturno, romântico, que as luzes da cidade remetem. Na mesma avenida, temos uma moderna ponte estaiada, a da Passagem. Sem que se vá muito longe, na Enseada do Suá, constrói-se o Cais das Artes – um complexo que ancora vários espaços para atividades artístico-culturais.
No centro da cidade, a movimentação se dá em torno do Teatro Glória. Construído em 1931 e adquirido pelo SESC, o prédio ganha resgate histórico para se transformar em Centro Cultural. É disso que Vitória precisa! Há muito, a capital capixaba merecia equipamentos grandiosos.
Vejamos esses exemplos mundo afora: na China construíram numa pequena cidade um edifício de 100 andares e marcaram o feito instalando o monumento de um touro, em ouro, chamando a atenção do mundo.
O Grupo ArcelorMittal constrói o Orbit ArcelorMittal, monumento grandioso, em aço, ao lado do Olimpic Stadium, em Londres, onde acontecerão os jogos das Olimpíadas de 2012. Um marco memorial. Queremos um também. Por que não?
Há pouco também soubemos que espanhóis construirão um museu, literalmente faraônico, no Egito, entre Cairo e Alexandria. Mas, investir numa obra de grandes dimensões no meio do nada, para quê? Para atrair gente, movimentar negócios, lucrar.
O Espírito Santo está muito perto de Estados que sediarão a Copa de 2014 e poderia tirar proveito disso. Mas, com que aeroporto, com que estádio de futebol? Agora mesmo o Rio de Janeiro iniciou a obra do Museu do Amanhã, novo marco arquitetônico da cidade, que deverá ficar pronto no primeiro semestre de 2014.
Afinal, queremos dizer que confiamos no grande potencial que temos e seguiremos com a sempre prudente paciência, mas ativa, na esperança de vermos essa Vitória mais futurista e atrativa, com planejamento e qualificação profissional.
*Jorge Alencar é diretor da Multieventos e Vice-presidente Administrativo Financeiro da Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *