Propostas da hotelaria no Conotel 2011 geram a Carta de São Paulo 2011

[Por Business Travel, 14/11/2011]
Promovido em conjunto pelas quatro entidades representativas do setor, a ABIH Nacional – Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, FBHA – Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação, FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil e pela Resorts Brasil, o Conotel 2011 – Congresso Nacional de Hotéis, que foi realizado na semana passada em São Paulo, constituiu o palco natural para o debate sobre temas relevantes setoriais, ratificando a união de forças e a importância associativa como vetor para a conquista de objetivos comuns.
Os segmentos que compõem o setor hoteleiro ratificaram as reivindicações e proposições registradas em documento que ficou conhecido como Carta de Salvador 2011, entregue aos parlamentares no âmbito do Congresso Nacional, com o endosso das quatro entidades acima relacionadas. Além disso, constituindo o que passou a ser chamado de “Carta de São Paulo 2011”, as entidades promotoras do Conotel aprovaram uma série de posições e reivindicações, entre elas uma moção propondo a prorrogação de prazo, por 180 dias, para a entrada em vigor da Ficha Nacional de Registro de Hóspedes (FNRH), requerendo novos encontros entre o poder público e a iniciativa privada para definir como proceder para a adoção do documento.
O Conotel 2011 também reiterou a importância da manutenção dos programas de capacitação e qualificação profissional vigentes mediante convênios firmados com o Ministério do Turismo e Sebrae Nacional. Do mesmo modo, os hoteleiros reiteraram a necessidade de um desenvolvimento sustentável para o setor, renovaram o compromisso com a empregabilidade continua – alcançada por meio das ações de capacitação e treinamento que resultam na geração e distribuição de renda -, e destacaram que a sustentabilidade também deverá ser alcançada com desenvolvimento econômico, através da gradativa recuperação do valor da diária média hoteleira, que há anos tem sido depreciada tendo como fator preponderante o excessivo aumento da carga tributária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *