Programa capacita pequenos hotéis e pousadas para 2014

[Por BRASILTURIS, 18/08/2011]
Na hotelaria, os preparativos para os grandes eventos esportivos que o Brasil sediará nos próximos anos, como a Copa do Mundo Fifa 2014 e as Olimpíadas de 2016, já começaram. Nos dia 17, donos de pequenos meios de hospedagem de Recife (PE), Manaus (AM), Gramado (RS) e Blumenau (SC) participaram do início do workshop Pequenos & Notáveis, voltado para a qualificação com foco na sustentabilidade e na competitividade, e que prossegue hoje, dia 18.
O workshop ainda será realizado nas 12 cidades-sede da Copa e em outros 20 destinos indutores do turismo, ou seja, aqueles localizados próximo a essas capitais e com potencial para atrair um grande número de turistas nacionais e estrangeiros, como Gramado (RS), Blumenau (SC), Búzios (RJ), Pirenóplis (GO), Alto Paraíso (GO), Fernando de Noronha (PE) e Porto de Galinhas (PE). Ao todo serão 32 oficinas, com carga horária de 13 horas, distribuídas em dois dias de duração cada. A programação, que seguirá até 27 de outubro, ocorrerá simultaneamente em mais de uma cidade.
O workshop integra o Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, realizado pelo Sebrae em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), por meio do Instituto Brasileiro de Hospitalidade (IBH), entidade responsável pela operacionalização. A expectativa é que o programa leve a cerca de 2 mil empresários e gestores de pequenos hotéis e pousadas de todo o País capacitação em sustentabilidade, competitividade, acesso ao mercado, empreendedorismo individual, marketing e central de negócios.
A partir dessa experiência, o Sebrae e a ABIH publicarão, até o final deste ano, uma metodologia para a área. “A ideia é que essa orientação sirva como base para que as demais unidades do Sebrae, nos estados, possam incentivar a implementação desse modelo em suas regiões”, explica a coordenadora do Programa de Qualificação de Pequenos Meios de Hospedagem, pelo Sebrae, Lara Chicuta.
Ao trabalhar os vetores de atuação da central de negócios, turismo sustentável, empreendedorismo individual, competitividade e acesso a mercado, por exemplo, o processo de aprimoramento de gestão dos empreendimentos busca também criar uma melhor relação entre o empresário e determinados fornecedores que estão na informalidade, como empreendedores individuais, e fortalecer o associativismo nas regiões contempladas, por meio das centrais de negócios.
“Os investimentos em desenvolvimento sustentável, qualificação profissional e a busca por uma gestão mais eficiente tornarão o setor mais competitivo durante e após o mundial. A capacitação e qualificação dos profissionais brasileiros é um dos legados mais importantes que ficará após o mundial”, afirma o presidente da ABIH Nacional, Enrico Torquato.